220 horas que mudaram minha vida: o treinamento de Kundalini Yoga

Quando recebi o e-mail sobre o próximo treinamento de Kundalini Yoga com a Gurmukh e o Gurushabd, eu não tinha noção de como isso iria mudar a minha vida. Seriam 220 horas de imersão. 

Na época eu estava passando uma temporada no Brasil, durante um período sabático que tirei após o nascimento do meu segundo filho. Eu tinha feito apenas 7 aulas completas de Kundalini Yoga quando recebi a notícia sobre o treinamento de Kundalini Yoga. Essa prática já tinha um lugar especial no meu coração, pois minha dor nas costas tinha desaparecido depois que fiz as aulas, mas eu tinha a sensação que algo estava me chamando para fazer aquele curso. A minha ideia inicial era fazer o curso como uma forma de me presentear e celebrar o fim do meu ano sabático, pois ao final do curso eu iria voltar ao mercado financeiro. 

Eu acabei nunca voltando ao mercado financeiro, e aprendi inúmeras lições nesse período. Hoje quero compartilhar 3 aprendizados importantes: a importância do primeiro ciclo de consciência, qual a lição do sofrimento, como encontrar o seu propósito de vida.

220 horas de treinamento de Kundalini Yoga

Duas semanas antes de iniciar o curso, eu recebi um e-mail de boas-vindas dando mais informações sobre o curso. Foi então que notei que o cada dia do curso iniciava às 5h da manhã em ponto com uma Sadhana de 2h30 e terminava às 18 horas. Eu não sabia o que era Sadhana mas sem a presença na Sadhana, eu não receberia o certificado.  

Na primeira parte do Sadhana nós fizemos uma kriya* bem física. Na segunda parte fizemos 5 meditações diferentes. E ver o senhor que está comandando aquele processo, com seu mais de 65 anos, mostrando tanta vitalidade, foi incrível e inspirador. Eu nunca tinha feito tanto yoga e meditação de uma só vez! E ele fazia Sadhana todos os dias. 

Minha imersão no treinamento de Kundalini Yoga

Estávamos fazendo por dia um total de 4 a 5 horas por dia de Kundalini Yoga e Meditação. No terceiro dia eu tive uma experiência que me marcou muito. Durantes as Sadhanas umas das meditações que fazíamos era a Dança de Shiva, que tinha como objetivo levantar, sacudir traumas, sentimentos, emoções que escondemos no subconsciente como uma maneira de nos proteger. 

Eu fazia tudo o que era solicitado com tanta dedicação que, eventualmente no meio de um exercício, comecei a ter um sentimento forte e indescritível. Meus olhos encheram de lágrimas e eu estava tomada pela emoção. Imediatamente parei o exercício, deitei no tapete de yoga na posição fetal e comecei a chorar. 

Chorei e solucei muito. Eu estava vivendo uma emoção muito forte e não tinha palavras. Uma das assistentes do meu professor deixou uma caixinha de lencinhos ao meu lado. Eventualmente eu voltei a escutar a voz do meu professor dizendo “keep up and you will be kept up” que significa “continue firme e você vai ser mantido”. Voltei a participar da meditação, com esse sentimento se desenvolvendo dentro do meu ser, como se tivessem tirado uma camada, um peso de cima de mim. Eu acredito que aquele dia eu limpei parte do trauma da separação dos meus pais que aconteceu quando eu tinha em torno de 2 anos de idade. 

A primeira lição no treinamento de Kundalini Yoga

No Kundalini Yoga acredita-se que o período da gravidez, até os 7 anos de idade é o primeiro ciclo da consciência e é fundamental para a nossa identidade. É a partir dessa identidade, criada nessa idade tão tensa, que nasce a nossa visão de mundo, determina os nossos valores, nossos gostos, desgostos e, também, o ponto de vista que vamos observar a nossa própria experiência. 

Essa lição foi fundamental para mim, não só por que sou mãe de crianças pequenas, mas para entender um pouco mais de mim mesma. É importante ressaltar que todos nós, sem exceção, temos traumas que nos marcam e nos definem nesses primeiros anos de vida. Porém, isso não é razão para culpar nossos pais ou as pessoas que cuidaram de nós. Eles também sofreram traumas que os definiram pelo fato dos pais deles terem sofrido também, ou seja, o ciclo nunca acaba. 

E aí que entra outro aprendizado vindo do treinamento: nossa alma escolhe as experiências que queremos viver juntamente com os karmas (Lei da Ação e Reação) que carregamos. A responsabilidade de como nós lidamos com esses traumas é unicamente NOSSA. 

Eu entendo que essa ideia de nos responsabilizarmos pelos nossos próprios traumas pode parecer errada. Mas as lições veem da nossa capacidade de transcender esses traumas. Não significa que a outra pessoa não errou. A pessoa também irá carregar a responsabilidade do erro (Lei do Karma). 

A gente não pode deixar que esses traumas nos definam. Por isso praticar Kundalini Yoga é tão importante, pois com as ferramentas de Kundalini Yoga a gente vai ‘descascando’ camadas que criamos em cima de nós mesmos, em cima da nossa alma. 

Essas camadas que são criadas para nos proteger, mas ao longo do tempo nos isolam e nos fazem sofrer.

 

A segunda lição no treinamento de Kundalini Yoga

A segunda lição que aprendi no treinamento de Kundalini Yoga foi: quando passo por um momento difícil, um desafio ou trauma, eu me pergunto qual é a lição que esse sofrimento está me dando. 

Uma vez entendendo a lição, damos mais um passo na direção certa, um passo mais próximo a superação para tirar essa camada de cima de nós. Durante o treinamento nós vamos tirando camadas pouco a pouco. Cada pessoa está em seu próprio caminho, cada um leva um tempo diferente. No meu caso, eu entrei no curso para entender um pouco mais sobre a pratica que me ajudou a superar uma dor na lombar que me imobilizou. Eu queria entender mais a fundo sobre a pratica que me fez voltar a me mexer sem dor. Eu entrei buscando essas respostas e terminei o curso com uma visão de mundo completamente diferente. Uma visão mais ampla, com mais esperança e com mais amor. Eu entendi que eu vim ao mundo para ajudar as pessoas, para elevar a consciência humana. 

A terceira lição no treinamento de Kundalini Yoga

Com a pratica consistente de Kundalini Yoga, eu descobri o meu propósito de vida. Mas a verdadeira lição, a terceira lição que quero compartilhar hoje, é que de uma certa forma apesar dos caminhos serem diferentes, o propósito de vida é um só para todas as pessoas: servir. Servir as outras pessoas, servir outros seres vivos. Ninguém será verdadeiramente feliz se pensar somente em si mesmo. Porém não podemos deixar que cuidar de nós mesmos. Precisamos antes estar bem para depois cuidar do outro. Temos que curar nossas feridas, superar traumas de infância, aprender a escutar a nossa alma e nos amarmos incondicionalmente. Conforme nós vamos nos curando, os caminhos irão se abrindo. A gente passa a deixar de ter medo desse mundo que vivemos e passamos a ter gratidão por estar vivo e poder contribuir com a Evolução da Consciência do Mundo.

Por isso, eu te convido a praticar Kundalini Yoga. Se você começar a fazer essa pratica diariamente, por apenas 3 minutos, você vai sentir a diferença rapidamente. Você encontrará o caminho para realizar o seu propósito de vida, para superar traumas e curar feridas. Faça um pouquinho todos os dias, seja gentil com você mesmo e você vai começar a sentir a diferença.

Abaixo uma meditação para você começar essa jornada: 


Um abraço apertado!
Sat Nam!

download (1).jpg